Ano Novo em Copacabana

Quando começamos a planejar nossa primeira virada de ano juntos, decidimos que passaríamos (ou pelo menos tentaríamos) passar cada 31 de dezembro em uma cidade diferente. Logo que a ideia surgiu, a primeira opção que veio na nossa mente foi a praia Copacabana, no Rio de Janeiro, afinal, esse é o Réveillon mais conhecido do Brasil! Pegamos férias no trabalho, economizamos nosso dinheirinho, fizemos as malas e partimos rumo a cidade maravilhosa.

Todo ano a cidade do Rio de Janeiro escolhe um tema para a festa da virada. De 2017 para 2018 (ano em que fomos) o tema foi Abraço. Todo ano são mais de 15 minutos de uma lindíssima queima de fogos, na beira da praia de Copabacana! O espetáculo ainda conta com show gratuito ao vivo - em um palco no meio da areia! - para entreter os cercas de 2 milhões de turistas presentes na cidade. Além disso, os vários barzinhos espalhados pela orla da praia ainda oferecem pacotes para a ceia, geralmente com jantar, open bar de bebidas e festa pós virada (os preços variavam de R$350 a R$600 por pessoa em 2017/2018).

Ano Novo em Copacabana
Imagem via Riotur.Rio

Não temos palavras para descrever a sensação de um ano novo em Copacabana! Foi mágico, lindo e inesquecível. Deixou uma marca maior por ser nosso primeiro ano juntos, mas nada tira o encanto do momento e da festa. 2 milhões de pessoas comemorando uma nova chegada. 2 milhões de pessoas vibrando em contagem regressiva. Não tem como explicar, apenas sentir. E queremos que todos possam passar por essa experiência pelo menos uma vez na vida!


Depois da nossa aventura, separamos algumas dicas, que deram certo para nós, para quem vai passar pela primeira vez o ano novo em Copacabana! Confira:

Ano Novo em Copacabana

Faça a sua ceia | Como nosso foco era economizar, nós compramos nossa "ceia da virada" em dois restaurantes próximos de onde estávamos hospedados. O primeiro era um restaurante com buffet a quilo, onde pegamos as variedades e carnes do nosso jantar, e o segundo foi um restaurante árabe, único lugar onde encontramos lentilha (indispensável na nossa ceia!). Se você quer economizar, essa é a melhor maneira! Outra opção de janta, como mencionamos acima, são os bares da orla que oferecem pacotes da noite da virada, porém tem um preço bem salgado!

Para o brinde da virada, não poderia faltar um espumante! Fomos em um mercado e compramos uma mini garrafa da bebida (custou em torno de R$12), que congelamos e levamos geladinha para a praia! Além disso, levamos taças descartáveis para brindar.

Chegue cedo | Como o show da virada reúne cerca de 2 milhões de espectadores por ano, é essencial que se chegue cedo para conseguir um bom lugar. Nós saímos as 20h30, pois estávamos hospedados a duas quadras da praia, e conseguimos um ótimo lugar para esticar nossa canga e sentar na areia. Não demorou nem 30 minutos e o local já estava um fervo, de tanta gente!

Mas atenção: para quem vem de mais longe ou vai assistir ao show nacional, precisa sair mais cedo de casa! Nós tínhamos a intenção de assistir o show da Anitta (que comandaria a contagem regressiva e animaria o público), além das outras atrações, mas o entorno do palco estava lotado demais desde de tarde, e assim desistimos de ficar lá, pois teríamos que ficar de pé e preferíamos ficar sentados na areia.

Ano Novo em Copacabana

Use roupas confortáveis | Essa é a nossa principal dica! A virada em Copacabana é na areia, no mar, na muvuca, então meninas principalmente, evitem ir de salto alto. Esse evento pede roupa e sapatos confortáveis, afinal, você vai ficar horas por lá, esperando e curtindo a festa. E por ser praia, chinelo e rasteirinhas são super bem vindas!

Fique alerta | Cuide muito bem dos seus pertences. Infelizmente muitos espertinhos aproveitam as viradas de ano para furtarem celulares e carteiras dos distraídos. O Maicon usou tipo uma pochete por baixo da roupa, que fica presa na cintura e colada no corpo, para guardar nossos documentos e dinheiro. Além disso, nós levamos apenas um celular para a praia (nada de câmeras e itens a mais). De preferência não leve bolsas grandes e nem guarde nada em bolsos de calças/bermudas. São pequenas coisas que ajudam a proteger nossos bens.

Leia >> Mergulhando (ou não) em Canasvieiras

Ano Novo em Copacabana
Imagem via Rio.Rio

Faça amizades e seja educado, sempre | Enquanto esperávamos o espetáculo de fogos de artifício começar, fizemos amizade com um casal Chileno que estava sentado ao nosso lado na praia. Achamos essa uma experiência diferente e muito bacana! Converse, conheça pessoas novas, entre no clima de companheirismo e troque ideias, vale a pena.

Não esqueça de tratar bem todos a sua volta, recolher seu lixinho e principalmente, não faça xixi no mar! Muitas pessoas - nós, por exemplo - gostam e querem pular as 7 ondas na virada, então pense nos outros. Ao longo da orla existem muitos banheiros químicos, então sem desculpas, ok?

Ria, chore, se emocione, comemore | Deixe o momento contagiar você! Se permita refletir sobre o ano que passou e pensar no ano que está vindo. Pule sete ondas, faça pedidos, beije alguém especial. Entre o novo ano com boas energias, com o pé direito. Permita-se sentir! Aproveite a festa e crie memórias incríveis, no melhor réveillon do país!

Ano Novo em Copacabana

Até a próxima aventura!
Ellen ❤ Maicon

Tags:  Ano Novo  |  RJ  |  Praia

Se você gostou desse post ou ficou com alguma dúvida, deixe seu comentário abaixo!

Quando começamos a planejar nossa primeira virada de ano juntos, decidimos que passaríamos (ou pelo menos tentaríamos) passar cada 31 ...

Casal na Praia de Canasvieiras

Há exatamente 1 ano atrás embarcamos na primeira aventura juntos fora do nosso estado. Compramos um pacote de viagem da Ecotrip e fomos rumo a praia de Canasvieiras para mergulhar nas profundezas das águas azuis de Santa Catarina!

No pacote que compramos da Ecotrip estavam inclusos: translado em ônibus executivo, diária no hotel com dois cafés da manhã, passeio de barco, snorkel, mergulho e compras em lojas da estrada. Pagamos R$529,00 para cada um (valores referentes à dezembro de 2017).

Pegamos o ônibus em Porto Alegre na sexta-feira a noite e passamos a madrugada na estrada. Dormimos praticamente a viagem toda (cerca de 08h de trajeto). Chegamos cedo em Canasvieiras e logo fizemos check-in no hotel Vila das Palmeiras. Tomamos café da manhã e fomos com o grupo todo rumo ao mar.

Fotos do mar de Canasvieiras

O passeio de barco, que nos levou até a Ilha do Arvoredo, onde seria realizado o mergulho, durou cerca de 1h30. Fomos bem felizes, passamos protetor solar, tiramos fotinhos, aprendemos as instruções básicas do mergulho e então o passeio começou. Os primeiros 20 minutos foram maravilhosos... e após isso, meus amigos, foi um Deus no acuda! O Maicon começou a enjoar com o balanço do mar, mas enjoar muito! Eu também fiquei mareada e nauseada. Tudo maravilhoso - só que não. Com o barco já parado na ilha, eu dei uma melhorada, mas o Maicon não, tadinho. Fiquei praticamente o tempo todo com ele, tentando fazer ele (e eu) melhorar. Em uma determinada hora, criei coragem e coloquei minha roupa de mergulho e até pulei na água.

Confesso que além de estar enjoada, eu acabei congelando de medo na hora do mergulho e foi isso que me fez desistir de mergulhar. Me senti claustrofóbica com a cor azul escura do mar e morrendo de medo de descer 8m dentro daquela água (na minha cabeça nós iríamos em uma água caribenha, extremamente cristalina, mas não foi bem assim). No fim, acabei fazendo somente um pouco de snorkel e vendo alguns peixinhos, e como a água estava muuuuito gelada, fiquei pouco no mar. O Maicon, por causa do estado em que se encontrava, não mergulhou também.

Tudo, contando a ida e vinda do passeio de barco e o tempo de mergulho, durou aproximadamente 7 longas horas. Assim que pisamos em terra firme eu já me senti melhor. Retornamos ao hotel, onde o Maicon descansou e se recuperou.

Foto panorâmica da praia

Placa de bem-vindo a Canasvieiras

A noite caiu e decidimos ir passear pela cidade. Passeamos pelo centrinho, fizemos compras, jantamos um hambúrguer e finalizamos com um milkshake, sentados a beira mar apreciando o som das ondas.

A manhã seguinte, segundo o cronograma do pacote, era livre até as 11h. Acordamos cedinho, já 100% recuperados e fomos para a praia! Andamos alguns quilômetros pela areia, entramos um pouco no mar e voltamos a passear no centrinho. Perto do horário, retornamos ao hotel para o checkout e a volta para casa.

Ellen sentada nas pedras da praia

Fotos de Canasvieiras

Essa foi definitivamente a aventura mais desastrosa que já tivemos! Nunca havíamos andado de barco e de cara compramos um pacote com mergulho em alto mar! Aprendemos a lição, hehe. Hoje, nós rimos da situação toda - e inclusive agradecemos por não termos pago a mais pelas fotos do mergulho, afinal, não teríamos fotos e só teríamos mais gastos, haha - mas não foi assim durante o passeio. Acabamos tristes por não termos conseguindo mergulhar, mas felizes por estarmos em terra firme. Chegamos a conclusão que barcos não são a nossa praia!

Mas o passeio, para quem não enjoa em barcos, é super recomendado! Éramos um grupo grande, e praticamente todo mundo entrou na água e se divertiu muito (dava pra ver a felicidade do pessoal vendo peixes e tartarugas lá no fundo!!). Teria sido uma experiência incrível, se tivéssemos conseguido!

Agora nos contem, vocês já mergulharam? Como foi a experiência?

Fotos de Canasvieiras

Sobre a Ecotrip | É uma empresa séria e muito boa. Adoramos o passeio como um todo (exceto o barco, mas isso obviamente não foi culpa deles). O ônibus era extremamente confortável e os instrutores que estavam presentes foram super atenciosos. Pretendemos sim ter mais uma experiência com eles.

Casal sentado nas pedras de Canasvieiras

Até a próxima aventura!
Ellen ❤ Maicon

Tags:  Canasvieiras  |  SC  |  Praia

Se você gostou desse post ou ficou com alguma dúvida, deixe seu comentário abaixo!



Há exatamente 1 ano atrás embarcamos na primeira aventura juntos fora do nosso estado. Compramos um pacote de viagem da Ecotrip e fomo...

Vista de cima do Viaduto 13

O grande viaduto 13, mais conhecido como V13, com seus admiráveis 143 metros de altura, é considerado o mais alto viaduto da América. Rodeado por uma linda paisagem de matas, rios e grandes colinas, esse gigante de concreto se destaca em meio a natureza verde do Rio Grande do Sul. O V13 é a atração que leva muitos aventureiros a passarem pela pequena cidade de Vespasiano Corrêa, na serra gaúcha.

O V13 faz parte de uma série de viadutos construídos na década de 70, pelo Exército Brasileiro, aqui no nosso Estado. Sobre eles passa uma ferrovia (a Ferrovia do Trigo) que ainda está em funcionamento, e por isso o acesso ao viaduto e a caminhada sobre ele é proibida - já que o trem de carga que cruza esses trilhos não tem horário fixo para passar, por isso, tomem cuidado! Porém, mesmo com avisos, as placas não causam medo e muito menos impedem que as pessoas se aventurem pelos trilhos, a centenas de metros de altura. Aliás, muitos aventureiros fazem uma longa caminhada ao longo dos viadutos, que pode levar alguns bons dias! (Quem sabe a gente vai numa próxima, hein?).

O Viaduto 13

Como chegar  

O acesso principal para chegar ao V13 é pela própria cidade de Vespasiano Corrêa, na RS-129. A cidade fica a cerca de 170 km de distância de Porto Alegre. Após passar pelo pórtico de entrada da cidade, haverá diversas placas indicando o caminho para chegar ao viaduto. É bem fácil! Você passa pelo centrinho da cidade e depois pega um caminho de estrada de chão - que pode ser feito todo de carro. Durante o percurso fomos aproveitando as lindas paisagens de matas e plantações que preenchem o horizonte.

A primeira visão do V13 acontece quando chegamos em um camping, localizado literalmente embaixo do viaduto. Ali é que temos nosso primeiro “frio na barriga”, por ver pessoalmente o gigante de concreto (que é muito maior do que aparenta ser nas fotos que vimos antes de ir conhecer pessoalmente!). Nesse ponto ainda encontramos um bar e um banheiro caso precise, portanto, aproveite. Siga subindo a estrada - se estiver de carro, pode seguir com ele! - até chegar a pouquíssimos metros dos trilhos do V13. A partir desse ponto saímos do carro e seguimos a aventura a pé.

Conhecendo o Viaduto 13

Caminhando sobre os trilhos

Assim que chegamos nos trilhos nos deparamos com duas direções possíveis a seguir: atravessar o viaduto e seus 509 metros de extensão (a nossa direita) ou entrar em um túnel TOTALMENTE escuro (a nossa esquerda). Como estávamos ansiosos, decidimos seguir logo pelo viaduto!

Quanto mais andávamos sobre ele, mais éramos hipnotizados pela junção de beleza, vista e altura apresentadas lá de cima. Ah, e não dá medo nenhum! O V13 tem o chão totalmente coberto por pedras, bem fácil de caminhar. A única maneira de olhar para baixo é indo para as muretas de proteção, nas laterais do viaduto. É uma caminhada muito agradável e bem tranquila. O silêncio de lá só é quebrado pela conversa das pessoas e pelo leve som das águas dos rios que passam lá por baixo. 

Após cruzar todo o viaduto (que parece que não tem fim), continuamos nossa caminhada pelos trilhos seguintes. E aqui vai nossa dica: Leve repelente (muito, mas muito repelente!). Pois depois que cruzar o viaduto, os trilhos seguem em meio à mata, onde tem muito mosquito! 

Fotos do V13

Depois de alguns minutos de caminhada nos deparamos com mais um viaduto, pouco conhecido, e chamado pelos aventureiros de V12. Ele tem a mesma estrutura do V13, porém é mais curto e não tão alto. Do V13 para o V12 levamos em torno de 30 minutos caminhando sobre os trilhos. Logo após o V12 nos deparamos com o primeiro túnel, que é bem curtinho e não tem mais do que 50 metros de comprimento. Esse foi o lugar escolhido da primeira parada para descanso e comilança, pois é um túnel bem fresco e arejado.


O temido Viaduto 11


Na saída do primeiro túnel já podemos começar a enxergar o tão tenebroso Viaduto 11. Aí você pergunta, tenebroso por que? Vamos explicar: esse viaduto não tem as muretas de proteção nas laterais e não tem o chão coberto! Você literalmente tem que andar se equilibrando e pisando somente nas madeiras que suportam os trilhos, isso combinado com uma altura de mais de 100 metros que ele possui! Sem contar que o trem pode passar a qualquer momento (aí, meus amigos, seria um deus nos acuda e salve-se quem puder, haha) Se isso acontecer, você pode se proteger nas espécies de refúgios de metal espalhados pelo viaduto. Se você tem medo de altura, não te aconselhamos a andar sobre esses trilhos, dá uma vertigem e um baita frio na barriga. Nós, como temos espírito aventureiro, atravessamos o temido viaduto - e ainda sentamos nas beiradas para tirar aquelas fotos épicas.

Caminhando no Viaduto 11

Para a nossa sorte, o trem não passou e ninguém caiu lá de cima, e assim conseguimos aproveitar bastante a vista única que o V11 proporciona. Então ali foi o limite da nossa caminhada. Sim, voltamos todo o caminho percorrido novamente. Foi quase uma hora de caminhada para chegar ao V11 e quase mais uma para voltar ao V13. Vá preparado pois é um pouco cansativo! Lembre-se de hidratar-se, leve bastante água!!

O Viaduto 11

Os túneis

Chegando novamente ao ponto de partida, continuamos a caminhada pela esquerda, entrando no túnel (aquele que mencionamos no início do post). Logo que você entra nele só se vê escuridão, sem fim. Aqui não tem luz no fim do túnel não, literalmente. Por isso é muito importante levar lanterna ou se virar com o Led do celular.

Esse túnel é um dos muitos da ferrovia. Alguns tem mais de 600 metros de comprimento! Pode não parecer muito, mas andando devagarinho na escuridão absoluta, e sobre pedrinhas soltas que merecem cuidado, você caminha por muito tempo. O clima lá dentro é bem úmido, com água pingando do teto do túnel toda hora.

Após uns 15 minutos caminhando sem ver luz na frente e nem atrás, nós finalmente começamos a ver um pouquinho de luz lá adiante, logo após a curva do túnel. Ao nos aproximarmos pensamos que fosse o fim do túnel, mas não era. Eram umas espécies de janelas gigantes na lateral do túnel. Faça uma parada e admire mais uma vista linda dos morros e da mata lá embaixo.

Túneis da Ferrovia do Trigo

Paramos, já cansados, com a intenção de voltar. Até ouvirmos o som de uma cachoeira bem pertinho de onde estávamos. Então, como de costume, desviamos nossa rota para tentar encontrar essa cachoeira. Observamos que por fora do túnel havia uma trilha de poucos metros que levava para lá. Andamos por ela e chegamos a essa cachoeira escondida na mata. A queda d’água era calma, mas valeu muito a pena aproveitar a vista e o frescor daquele lugar. Mais tarde descobrimos que terminando o túnel, existem outras trilhas que levam a pelo menos mais uma cachoeira ali perto, infelizmente, não fomos atrás dessa.

Cascata

Paisagem fora do Túnel

Como já estava ficando tarde, decidimos voltar e não terminar a caminhada toda no túnel sem fim. Cansados, suados, mas extremamente felizes pelo passeio realizado, pela aventura e por superar mais uma vez nossos limites (caminhar sobre o V11), Por fim, pegamos a estrada e voltamos para casa.

Ao todo, foram cerca de 5h de passeio sob os viadutos. Fizemos o trajeto em um dia ensolarado de primavera, mas eu, Maicon, já visitei o V13 em um dia frio e nublado, e garanto: ambos os climas geram paisagens e recordações incríveis!

Viaduto 11

Para quem vai visitar o V13, temos duas dicas muito importantes, válidas para qualquer aventura: leve muita água e não esqueça o repelente em casa (os mosquitos, principalmente borrachudos, atacam muito).

Resumo das informações:

❤ Onde: Vespasiano Corrêa/RS
❤ Endereço: EF-491 (Ferrovia do Trigo)
❤ Entrada: Gratuita
❤ Distância do centro da cidade: cerca de 10km
❤ Trilha: Fácil, porém cansativa. Não requer grande esforço físico
❤ Mapa do centro da cidade até o início da trilha

Ferrovia do Trigo

Até a próxima aventura!
Maicon ❤ Ellen

Tags:  RS  |  Viagem de 1 dia

Se você gostou desse post ou ficou com alguma dúvida, deixe seu comentário abaixo!

O grande viaduto 13, mais conhecido como V13, com seus admiráveis 143 metros de altura, é considerado o mais alto viaduto da América...

Casal vendo nascer do sol no Morro da Borússia

Quem já apreciou um nascer do sol há de concordar que é espetacular! Eu, Ellen, demorei longos 24 anos para ver um pela primeira vez. E não é porque é um fenômeno raro, afinal o sol nasce todos os dias (embora as vezes ele se esconda entre nuvens, ele nasce e está lá). Demorei por preguiça mesmo - e também por falta de companhia.

Quando o Maicon ficou sabendo que eu ainda não tinha ido ver essa obra da natureza, resolveu me levar para corrigir o problema hehe. Escolhemos ir no Morro da Borússia, em Osório, um mirante que nós não conhecíamos, em uma cidade relativamente próxima a Porto Alegre.

Acordamos por volta das 04h30 da madrugada, nos arrumamos rapidinho, separamos comidas para o café da manhã e pegamos a estrada. Pouco mais de 1h30 depois, chegamos no topo do mirante. Ainda era noite e a vista nos encantou já de cara. Um visual incrível, a cidade dormindo e as luzes iluminando seus caminhos (somos apaixonados pelas luzes noturnas!). Sentamos na rampa de voo, que fica cerca de 400m acima do nível do mar, e aguardamos o nascer do sol, saboreando nosso café da manhã delicioso - tudo bem romântico!

Vista noturna do Morro da Borússia

Nascer do sol Morro da Borússia

Vista do Morro da Borússia

Foi simplesmente lindo! O dia amanheceu limpo e o sol brilhou forte. Como fomos em agosto, durante a madrugada estava bastante frio, mas com a chegada do sol, logo esquentou muito rápido.

Quando saímos do Mirante nos deparamos com uma placa indicando uma cachoeira ali próxima. resolvemos desviar nossa rota e fomos atrás dela. Infelizmente, por ser o mês agosto, a propriedade onde a cachoeira se encontra estava fechada, então não pudemos visitar. Mas pesquisamos e descobrimos que ela abre durante o verão, porém a entrada é paga, e fica na propriedade da família Bertoli. Já que estávamos por lá, aproveitando as estradinhas rurais, resolvemos passear de carro sem destino (o GPS não funcionava na região, então foi literalmente sem destino), apreciando a paisagem e batendo um papo bom.

Durante a tarde fomos em Osório. Passamos pertinho dos cataventos do parque eólico e aproveitamos um pouco da pequena cidade litorânea. Foi um dia muito bem aproveitado!

Mirante Morro da Borússia

O Mirante do Morro da Borússia não fica vazio, mas não super lota. Sempre tem um grupo de amigos, famílias, casais e até doguinhos (sempre na guia pessoal!) passeando por lá. É um passeio que vale a pena ser feito. É de fácil acesso, gratuito e rende boas memórias. Mas vocês não precisam ir no nascer do sol (embora a gente recomende fortemente esse horário!), pode ir em qualquer horário do dia apreciar a vista de tirar do fôlego. Lá de cima podemos ver o parque eólico, as lagoas e as praias mais próximas. É muito lindo.

Como chegar | Seguindo pela BR-101, passe por baixo do primeiro viaduto da rodovia federal, logo que acaba a Free Way. No trevo pegue a esquerda e siga as placas que indicam o caminho. São cerca de 4km até o topo do morro.

Resumo das informações:

❤ Onde: Osório/RS
❤ Endereço: Estrada Romildo Bolzan
❤ Entrada: Gratuita
❤ Trajeto: pode ser feito de carro, de bicicleta ou apé. É bastante íngreme, mas a estrada é bem asfaltada e de fácil acesso

Imagem nascer do sol no Morro da Borússia

Ellen no Morro da Borússia


Até a próxima aventura!
Ellen ❤ Maicon


Tags:  RS  |  Viagem de 1 dia | Litoral Gaúcho


Se você gostou desse post ou ficou com alguma dúvida, deixe seu comentário abaixo!





Quem já apreciou um nascer do sol há de concordar que é espetacular! Eu, Ellen, demorei longos 24 anos para ver um pela primeira vez. E ...

Casal em frente ao Pórtico de Gramado via Taquara

Gramado é uma cidade encantadoramente bela da serra gaúcha. Localizada a apenas 125km de Porto Alegre, Gramado é o destino mais que perfeito para quem quer um passeio bate e volta, encantador, cheio de possibilidades e bem europeu.

Já visitamos Gramado algumas boas vezes e normalmente ficamos apenas um dia na cidade. Com as nossas experiências de bate e volta podemos garantir que: dá sim para fazer muita coisa apenas 1 dia! Inclusive, nossa última ida a cidade foi justamente assim, um roteiro bem turístico de um dia completo (e com passeios que cabem no bolso!). Vem com a gente!

* O roteiro está na ordem em que visitamos cada local. Começamos nosso passeio as 09h30*

Fotos do Pórtico de Gramado

Pórtico de entrada | Gramado tem dois pórticos de entrada, um via Nova Petrópolis (o pórtico mais antigo e charmoso) e outro via Taquara (mais novo e moderno). Nosso passeio começou pelo Pórtico de Taquara, localizado na Rodovia ERS-115, o mais concorrido para fotografias (sempre que passamos por ele vemos muitos grupos de turistas tirando fotos, pelo menos nos finais de semana). O pórtico foi inaugurado em 1991 e apresenta o estilo normando em sua arquitetura, lembrando e homenageando a colonização alemã.

Paramos para admirar os detalhes e ornamentos do pórtico, e claro fazer alguns cliques. É um pórtico realmente bonito e combina muito bem com a cidade. Vale uma parada rápida, afinal o acesso a ele é gratuito e esse é um dos cartões postais da cidade!

Fotos do Parque de lavandas Le Jardim

Parque Le Jardin | Seguindo pela ERS-115, e a menos de 5 minutos de carro do Pórtico via Taquara, chegamos ao encantador Parque de Lavandas Le Jardin! O Parque foi inaugurado ao público em 2006, e trata-se na verdade do jardim, de flores e lavandas, da casa do Jorgito e da Patrícia. São mais de 3 hectares de terras com plantas exóticas, flores e claro, lavandas. Além disso, eles tem uma estufa, loja temática e cafeteria.

Fique atento: o período de floração das lavandas acontece de outubro a dezembro, então se quer ver elas, vá nesses meses. Nós fomos em junho, portanto não vimos as lavandas, e imaginamos que com elas tudo fique mais parisiense ainda. Porém, mesmo sem as lavandas, é um lugar revigorante e extremamente bem cuidado.

O Le Jardin conta com estacionamento privativo gratuito, mas atualmente é cobrada uma entrada no valor de R$10 por pessoa (outubro, 2018).

Fotos do Parque Alemanha Encantada

Parque Alemanha Encantada | Está aí um uma parada não planejada no nosso roteiro, um desvio de rota ao plano inicial. O Parque Alemanha Encantada fica localizado na frente do Lago Negro (Rua Bruno Ernesto Riegel, 713), tem a entrada gratuita, foi inspirado nos Irmãos Grimm e tem como objetivo resgatar a cultura alemã, presente na arquitetura, esculturas e cenários do ambiente.

A sensação de quem visita o parque é de que se está realmente em uma Vila Germânica. Apesar de ser pequeno, o parque traz muitos detalhes que remetem a Alemanha. Possui cafeteria, restaurante, uma loja de souvenirs e a torre da princesa Rapunzel, onde é possível subir e visualizar o Lago Negro do alto (atração paga a parte, R$10 por pessoa) além de conhecer o quarto da princesa.

Fotos do Lago Negro

Lago Negro | Se existe um lugar em Gramado que não cansamos de visitar, é esse. O Lago Negro é lindíssimo e repleto de árvores vindas diretamente da Floresta Negra, na Alemanha, além das típicas hortênsias que completam a paisagem incrível junto ao lago.

O Lago é bastante frequentado por turistas e moradores da região. Ideal para caminhadas, picnics, passeios românticos ou simplesmente para apreciar a paisagem. Também é possível andar de pedalinho (pago a parte, em torno de R$30 por grupo), apreciar artistas e tirar fotos incríveis.


Parada para almoço | Hora do almoço! Quem já foi a Gramado sabe que as refeições por lá nem sempre são baratinhas, muito pelo contrário. Uma dica de ouro que nós damos é: se você quer economizar e comer bem, compre cupom de ofertas de restaurantes. Sim! Valem muito a pena. Nós sempre compramos através do Tchê Ofertas ou do Laçador de Ofertas, e até hoje, não tivemos problema algum.

Quase que carimbo obrigatório nas nossas idas a cidade, nós almoçamos no Piato de Parma, um restaurante caseiro e bem charmosinho, localizado na região central da cidade. Além de ser barato (através de cupons, pagamos entre R$14 e R$17 por pessoa), tem um ambiente familiar acolhedor e bem italiano, atendimento bom e comida que deixa um gostinho de quero mais.

Fotos do Mini Mundo

Mini Mundo | O parque temático de miniaturas de Gramado fica localizado na R.ua Horácio Cardoso 291, e é um parque ao ar livre de réplicas perfeitas 24 vezes menores que seu tamanho original. São réplicas maravilhosas de monumentos, esculturas, castelos, prédios e arquiteturas de todas as partes do mundo. Em meios as réplicas, milhares de "mini habitantes" dão vida a cidade construída ali.

É um passeio perfeito para todas idades. Não tem como não se encantar com tantos detalhes incríveis! Caminhar pelas ruas temáticas e parar para observar as "cenas" montadas é um desafio muito divertido, afinal, observando bem podemos encontrar os habitantes em situações bastante inusitadas (cenas de traição, briga de trânsito, um homem escalando os montes de neves e trenzinhos em movimento são apenas alguns exemplos). As esculturas são trocadas de tempos em tempos, então vale a pena visitar o parque em anos diferentes.

Importante: a entrada é paga. O ingresso adulto custa R$36,00 e o infantil/estudante R$18,00.

Fonte do Amor Eterno

Fonte do Amor Eterno | Aos apaixonados, parada obrigatória. A Fonte do Amor Eterno foi inspirada na famosa Fontana de Trevi (da Itália!). Fica localizada entre a Igreja Matriz São Pedro e o Boulevard Sâo Pedro. Nela, os casais podem eternizar seu amor colocando cadeados gravados com seus nomes ou iniciais ao redor da Fonte! Não é lindo?

Lembrando que os cadeados permitidos são apenas aqueles vendidos nas lojinhas do Boulevard São Pedro e podem ser personalizados a escolha do casal!

Fotos da cidade de Gramado

Av. Borges de Medeiros, Rua Coberta e lojas de chocolates| No final da tarde, aproveite para passear pela Av. Borges de Medeiros e visitar as lojas de chocolates (famosos na região). Na avenida estão localizados diversos estabelecimentos, tanto gastronômicos, quanto de comércio em geral. Vale a caminhada por sua beleza.

A avenida não possui fiação aparente nos postes, o que traz uma paisagem limpa e bem diferente da que estamos acostumados nas cidades, isso permite uma melhor visualização da arquitetura presente nos prédios da cidade, que vão dos mais luxuosos aos mais germânicos e típicos.

Aproveite também e passe na Rua Coberta. A rua possui 100m, não tem acesso à carros e fica bem próxima a Igreja Matriz de São Pedro, na própria Borges. Normalmente acontecem feiras nessa rua (quando fomos, estava rolando uma mini feira do livro) e ela está sempre bem decorada e lotada de turistas. É bastante conhecida pelos restaurantes que a circundam.

Fondue

Fondue | Fechando com chave de ouro... nada melhor do que um famoso Fondue em Gramado! Opções não faltam, e os preços variam bastante (sempre lembrando que também é possível comprar através dos sites de cupons). Mas uma coisa é certa: em finais de semana, sempre chegue cedo. É comum ver filas imensas e pessoas aguardando mesas ficarem disponíveis, pois geralmente os locais não fazem reservas.

Finalizamos nosso passeio com a sequência de fondue no Forttini Restaurante, muito perto da Rua Coberta. Chegamos por volta das 19h30 e pegamos a última mesa vaga (a fila de espera depois estava em torno de 2h). O fondue, tanto o salgado, quando o doce, estavam muito bons. O ambiente é muito bonito, com cadeiras revestidas de pelegos, deixando um clima romântico no ar. Achamos o couver artístico do local um pouco caro (R$16 por pessoa) em relação ao serviço oferecido. Mas pagamos e vida que segue! Depois descobrimos que é comum cobrarem essa taxa principalmente nos finais de semana.

Fotos da Rua Torta

Dica extra: Rua Torta | Se depois de todos esse passeios ainda sobrar um tempinho, recomendamos que passem pela Rua Torta. Uma visita rapidinha para conhecer e se encantar com essa rua peculiar. Localizada na  Rua Emílio Sorgetz 120, a rua foi inspirada na famosa Lombard Street, da Califórnia e chama bastante atenção por ser, literalmente, uma rua torta. (Nesse dia não fomos na rua, mas temos alguns registros dela de outras idas a cidade)

Finalizamos o passeio felizes da vida e muito contentes!

Casal no lago negro de Gramado

Claro que, não tem como fazer tudo que Gramado tem a oferecer em 1 dia. Mas é possível sim fazer um passeio agradável e conhecer os melhores pontos turísticos da cidade com pouco tempo. Sempre que vamos a cidade, fazemos algo novo. Museus, parques e aventuras não faltam por lá! Inclusive, ainda tem muitos lugares que queremos conhecer por lá, e vamos encaixando nas próximas viagens.

Se você tiver a oportunidade, não deixe de conhecer e visitar a cidade mais europeia do Brasil 


Até a próxima aventura!
Ellen ❤ Maicon


Tags:  Gramado  |  RS  |  Serra Graúcha  |  Viagem de 1 dia

Se você gostou desse post ou ficou com alguma dúvida, deixe seu comentário abaixo!

Gramado é uma cidade encantadoramente bela da serra gaúcha. Localizada a apenas 125km de Porto Alegre, Gramado é o destino mais que perfe...